Ushuaia: Tudo que você precisa saber

por

Ushuaia (pronuncia-se Ussuaia), cidade conhecida também como Fim do Mundo (onde o vento faz a curva e Judas perdeu as botas), localiza-se na Argentina, na famosa região da Patagônia.

Cordilheira dos Andes
Cordilheira dos Andes

Eu a visitei por uma semana, em outubro de 2014, e o lugar simplesmente conquistou meu coração no momento em que o avião encostou no chão. O pouso foi um dos mais suaves e mais lindos que já presenciei, e naquele momento, ainda dentro do avião, sabia que um destino magnífico (e gelado!) me aguardava. Seguem as dicas para organizar sua viagem para Ushuaia:

PUBLICIDADE:

Como chegar em Ushuaia

Eu utilizei a companhia aérea Aerolineas Argentinas, saindo de Santiago, no Chile, com conexão em Buenos Aires. Como estava com tempo, peguei uma conexão de 12hs e aproveitei para passear pela capital argentina, além de ter tempo de trocar dólares por pesos argentinos, onde há melhor cotação que Ushuaia. Vale lembrar que é possível voar do Brasil também pela Latam, mas há sempre conexão em Buenos Aires. Como o país faz parte do Mercosul, não é necessário passaporte, apenas o RG.

Ilha Bridges
Ilha Bridges

Dica especial: Sugiro sentar no lado direito do avião, de preferência na janela. Ao início do pouso, é possível avistar a Cordilheira dos Andes com seus picos nevados te encarando. Ali mesmo, naquele momento, eu me emocionei e já sabia que a viagem seria inesquecível.

O que levar na mala

Essa cidade pertence à aqueles que amam a natureza, e que gostam de frio ou no mínimo, não se importam. A temperatura média mais alta durante o ano todo é 15°C. Eu cheguei a pegar -16°C no início da primavera.  Portanto, recomendo que você tenha botas de trekking (botas de trilha), porque a neve eventualmente derrete e para ganhar uma “bunda roxa” não precisa de muito esforço. Ademais, achei necessário usar blusa térmica, luvas, gorro, além de calça e capas impermeáveis para escapar do frio.

Onde se hospedar

Ushuaia oferece uma gama de hotéis, pousadas e hostels para todos os gostos e bolsos. Acredito que o melhor lugar para ficar em Ushuaia é no centro, nas imediações da Avenida San Martín. Lá, será possível encontrar a maior parte do comércio, diversas opções de restaurantes e acesso fácil ao Porto, local de onde saem os passeios de barco no Canal Beagle e próximo ao posto de informações da Secretaria de Turismo.

Eu me hospedei no Hostel Antarctica (quarto misto para 6 pessoas), que tem um preço super bacana, e fica há apenas duas quadras da rua principal, a Av. San Martín. O quarto era quentinho, os banheiros limpos e uma galera pra lá de hospitaleira.

Sala do hostel
Sala do hostel

A cozinha oferece todas as facilidades para quem quer economizar na comida (mas dou a dica de reservar uma noite, pelo menos, para comer um King Crab em algum restaurante da cidade). Além da cozinha, tem uma sala muito aconchegante com sofás.

A cidade conta com uma gama de passeios incríveis, entre eles: trilhas em parques, esqui, passeios 4×4, passeios de barco, trilha em uma ilha no Canal Beagle, observação de pinguins, lagos, trenó puxado por cães, entre tantas outros.

O que você não deve perder em Ushuaia

Lagos Escondido e Fagnano

Esse passeio foi, sem dúvidas, o meu preferido em Ushuaia. Foi também, de longe, o passeio mais caro que realizei, no entanto valeu cada centavo. A agência da qual fiz dois passeios e que indico com muito carinho, é a Canal Fun & Nature. Os guias eram simpáticos e muito solícitos. Ele durou cerca de seis horas e passou pelos Lagos Escondido e Fagnano. Ambos os lagos revelam paisagens naturais espetaculares e tranquilas.

Lago Escondido
Lago Escondido

Logo pela manhã, me buscaram de carro diretamente no hostel em que estava hospedada, e ao sair da cidade, imediatamente nos deparamos com cenários incríveis! Nossa primeira parada foi no Mirante Paso Garibaldi, que tinha uma vista deslumbrante dos lagos. Em seguida, nos dirigimos para o sítio Llanos del Castor para a melhor surpresa que eu poderia ter. Ele oferecia a opção de andar bosque adentro em motos de neve ou em um trenó puxado por cães.

Passeio de trenó
Passeio de trenó

O trenó era um dos meus sonhos de criança, e quando vi a opção, que inicialmente não estava no passeio, eu me emocionei. O bosque estava branquinho por conta da neve, e uma cabana de madeira com fumaça saindo da chaminé enfeitava a paisagem. Os cães são muito bem cuidados (alguns até são bem gordinhos!) e são todos bem mansos. O passeio durou cerca de 10 minutos.

Llanos del Castor
Llanos del Castor

Ao sairmos do Llanos del Castor, andamos e paramos algumas vezes ao longo do caminho para admirar a paisagem e tirar algumas fotos. Ao circundarmos o Lago Escondido, os guias nos deixaram no início da trilha para seguirmos a pé e nos indicaram onde ficava a cabana em que iríamos almoçar.

Cabana para almoço
Cabana para almoço

A cabana era simples e quentinha, bem no meio da mata. Foi possível avistar raposas, castores, e diversos pássaros enquanto esperávamos o almoço ficar pronto. Foi servido um prato de carne de gado, arroz e saladas, além de pão com chorizo de entrada, acompanhado de vinho da Patagônia e suco.

Passeio de barco no Canal Beagle e ilhas

O estreito de Beagle (ou canal de Beagle) separa as ilhas do arquipélago da Terra do Fogo. Além de ligar o oceano Atlântico ao Pacífico, ele separa a Ilha Grande de diversas pequenas ilhas ao sul e ainda marca a fronteira entre o Chile e a Argentina. Ele recebeu o nome por causa de um navio britânico que realizou viagens de exploração no estreito, no início do século 19.

Raposa perto da cabana no almoço
Raposa perto da cabana no almoço

Uma coisa bastante interessante que descobri durante o passeio, foi que o segundo comandante do navio HMS Beagle levou a bordo Charles Darwin – sim, o mesmo da Teoria da Seleção Natural -, durante quase 5 anos. Foi após essa viagem e publicações posteriores que deram a Darwin o reconhecimento como geólogo e fama como escritor.

O passeio pelo Canal Beagle dura cerca de 3h30min e acontece durante todo o ano. As empresas Tolkeyen e Rumbo Sur têm saídas diárias do porto às 9h30 e 15h30. Embora algumas pessoas discordem, eu recomendo o passeio com a trilha na Ilhas Bridges.

Farol Les Eclaireurs
Farol Les Eclaireurs

Logo no início do passeio, podemos avistar a Baía de Ushuaia, e observar como a cidade é cercada por incríveis montanhas nevadas. Entre o passeio, estão inclusas diversas paradas, sem desembarque, para observar a fauna do fim do mundo. Entre elas, a Ilha dos Pássaros e a Ilha dos Lobos, seguida da Ilha do Farol Les Eclaireurs (erroneamente chamado de farol do fim do mundo).

Ilha dos Lobos
Ilha dos Lobos

Por último, e não menos importante, desembarca-se e é realizada uma trilha na Ilha Bridges. A subida leva, aproximadamente, 30min à passos muito tranquilos. Esse foi, para mim, sem dúvidas, o ponto alto do tour. A vista era magnífica, apesar do vento forte e congelante. Era possível contemplar um infinito verde, com a cadeia de montanhas que circundam a Baía ao fundo. Além de tudo, a ilha ainda conta com uma história muito rica sobre a vida dos índios Yámanas que a habitavam há centenas de anos.

Topo da Ilha Bridges
Topo da Ilha Bridges

Dica especial: Sugiro ir com roupas quentes, inclusive no verão, pois no topo da trilha venta muito e o ar torna-se ainda mais gélido. Dê preferência para dias que o tempo esteja aberto, porque acredito que a vista seja ainda mais fantástica.

Glaciar Martial

Para chegar até a base do Glaciar Martial do centro de Ushuaia, a melhor opção é ir de táxi ou remix (táxi que oferece a corrida com valor fixo). Como estava com mais duas pessoas que conheci no hostel, dividimos o total de 35 pesos argentinos o trecho.

Névoa do Glaciar Martial
Névoa do Glaciar Martial

Durante o inverno, o Cerro possui uma estação simples de esqui, e portanto existe um teleférico que pode ser usado para chegar até o topo. Apesar de estar nevando muito na semana em que eu fui, já era primavera e a estação já estava fechada, então decidimos subir à pé.

Eu realizei a caminhada em um dia muito frio, e lá pela metade do caminho começou uma nevasca. Resultado: rosto queimando, neve na altura do joelho e muito vento. Devo dizer que o tempo naquela semana que visitei a cidade, não contribuiu em algumas coisas. No meu caso, a experiência valeu para eu ver como sou resistente, e aguento muito mais do que pensava. Levei 3h30min (ida e volta) e estava aproximadamente -15°C durante boa parte do trajeto.

Dica especial: se estiver nevando muito, abuse do protetor labial, e proteja o rosto com algo contra a neve e o vento. Não há um ponto de táxi no Cerro. Para voltar ao centro da cidade, você pode solicitar um táxi ou remix nas lojinhas que ficam na base do Glaciar.

Parque Nacional Terra do Fogo

Local onde se encontra o Correio do Fim do Mundo
Local onde se encontra o Correio do Fim do Mundo

O Parque Nacional Terra do Fogo fica há 12km do centro da cidade e é um dos pontos turísticos mais importantes de Ushuaia. Possui uma natureza exorbitante, com lagos, bosques, castores e aves exóticas. Tudo isso em uma área verde enorme com cerca de 63.000 hectares. Como todas as trilhas são muito bem sinalizadas (inclusive, com nível de dificuldade e distância), e possui uma infraestrutura excelente para um parque desse tamanho, é possível chegar de carro e deixá-lo no estacionamento, ou com vans que te esperam no final do passeio.  No parque, ainda tem o Trem do Fim do Mundo, construído para que os prisioneiros de Ushuaia pudessem cortar lenha.

Topo da trilha pelo Parque Nacional Tierra del Fuego
Topo da trilha pelo Parque Nacional Tierra del Fuego

Com todas essas opções e o fato de eu não ter preparo físico nenhum, e estar completamente cansada e queimada devido à subida ao Glaciar no dia anterior, eu resolvi fazer o passeio para o Parque Nacional com carro 4×4 e trilhas curtas. Porém,  a agência me buscou com o carro errado, e acabei caindo de paraquedas neste outro tour. Felizmente, conheci uma galera muito querida, e como eu estava sozinha, me acolheram.

Galera querida que me acolheu
Galera querida que me acolheu

Nesse passeio, inicialmente remaríamos da Bahia de Lapataia até o Canal Beagle, com duração de cerca de 1h. E depois uma trilha longa para conhecer o parque. Porém, no meio do trajeto com o caiaque, começou a nevar e ventar muito e embora remássemos com muita rapidez, bastava apenas alguns segundos de descanso para sermos levados pela correnteza e irmos de ré. Tivemos que chegar nas margens do rio e encerrar o passeio de caiaque. Seguimos então a pé, e andamos por cerca de duas horas pelo parque.

Correio do Fim do Mundo
Correio do Fim do Mundo

No final da caminhada, chegamos a Bahia Ensenada. Ela tem uma pequena praia com pedras, vista para o mar e um ar extremamente gélido. Porém, conta com uma atração muito bacana procurada pela maioria dos viajantes: o Correio do Fim do Mundo. Lá, por 10 pesos argentinos, é possível carimbar o passaporte com o selo oficial do Parque Nacional da Terra do Fogo.

Outros passeios

Para quem gosta de história, eu recomendo visitar a Prisão de Ushuaia (a quatro quadras do hostel). Ela ainda permanece intacta, toda original e apresentando um documento com foto, a entrada é gratuita. Existe também a famosa placa do Fim do Mundo, que é muito procurada pelos turistas. Ela fica próxima ao  centro de informações turísticas, onde você pode carimbar de graça o passaporte com uns stamps magníficos.

Existe uma estação de esqui há 26km da cidade, no Cerro Castor. Como não sou grande fã de esqui (leia-se, não consigo andar) optei por não ir. Para quem vai no verão, eu aconselho muito ir à Laguna Esmeralda, ouvi maravilhas de lá entre inúmeros  amigos. Infelizmente, como estava nevando muito, estaria coberta de neve.

Depois de curtir por uma semana, me despedi de Ushuaia tomando uma cerveja no Dublin Irish Pub, onde tocava um rock suave, com diversas opções de bebidas, incluindo uma ótima cerveja da Patagônia e lotado com pessoas de todo canto do globo.

Eu não tenho dúvidas que Ushuaia irá preencher e aquecer seu coração. O povo é hospitaleiro, a comida é gostosa, a cama é quentinha, e a paisagem irá te arrancar suspiros e sorrisos durante toda a estadia.

Veja também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.