O voo de flyboard na Praia de Carneiros

Leonardo Vasconcelos por

A Praia dos Carneiros, em Tamandaré, no Litoral Sul de Pernambuco, a cerca de 100 quilômetros do Recife, é considerada uma das praias mais bonitas e conhecidas do Brasil. Não à toa. A fama se justifica pela grande quantidade de atrativos espalhados pelos seus cinco paradisíacos quilômetros de extensão. Areias claras, coqueiros envergados, águas transparentes, piscinas naturais, peixes coloridos. Perfeito para quem busca descanso e calmaria. Mas também para quem procura adrenalina e aventura, como o #BlogMochileo.

Praia de Carneiros
Praia de Carneiros

Pois foi neste literalmente mar de tranquilidade que encontramos uma onda de agitação. Ondas que vêm de uma máquina voadora no meio da água que, quem diria, consegue atrair olhares dos turistas, tanto quanto as belezas naturais da região. Afinal não é sempre que se vê pessoas planando sobre o mar, como se fossem super-heróis. Inclusive foi inspirado em um que o piloto francês campeão mundial de jet ski, Franky Zapatta, inventou o flyboard em 2011. Tomando como base os movimentos do Homem de Ferro, ele criou o equipamento que é constituído basicamente por uma prancha com propulsores que funcionam com a água ejetada pela moto aquática. Simples? Nem tanto, principalmente na hora da prática, mas claro que topamos o desafio.

PUBLICIDADE:
voo de flyboard
voo de flyboard

No horário marcado lá estávamos na areia em frente ao restaurante Bora-Bora, ponto de onde partem este e vários outros passeios no local. Não demora e o instrutor e proprietário do flyboard Vicente Cassemiro aparece. Após os cumprimentos, direto para a água? Não! “Nós costumamos dizer que os clientes começam a voar na areia. Ou seja é aqui que passamos todas as orientações técnicas, de segurança e da prática do voo. Ele precisa entender todo o funcionamento do flyboard para quando chegar na água se preocupar só em desfrutar da experiência”, explicou Vicente, que há um ano oferece o passeio na região.

Ok, parte teórica concluída, vamos ao que interessa. Depois de uma boa caminhada até um ponto longe de banhistas e embarcações, lá está na beira da praia o jet ski que parece normal. E é. O que muda basicamente é a mangueira acoplada à parte do motor responsável por impulsionar a moto aquática. Na outra ponta da mangueira fica a bota que você calça. Ou seja, a partir do momento em que a coloca você passa a comandar a direção para onde a moto vai.

À medida em que o piloto do jet ski acelera, os jatos de água começam a ser vertidos dos propulsores nas botas. Então basta se manter de pé com a água na altura do peito para ter início a decolagem. Em frações de segundos, o seu corpo já está fora da água. É neste momento que as instruções dadas em terra fazem todo o sentido. É preciso deixar as pernas firmes levemente flexionadas, travar o abdômen com o corpo reto. O segredo é manter o equilíbrio. Como não há onde segurar, os braços são importantes para ajudar no contrapeso. O flyboard é um equipamento bem intuitivo. O criador Zapatta diz que é como aprender a andar de bicicleta.

Nem se preocupe. Os tombos no início são inevitáveis. As instruções iniciais mostram até a melhor (ou menos pior) maneira de cair para evitar grandes caldos ou barrigadas no mar. O colete salva-vidas garante a segurança. Nas tentativas seguintes você já vai ganhando mais confiança e consequentemente altura, podendo chegar a quase incríveis oito metros. É indescritível a sensação de liberdade proporcionada lá do alto, acompanhada de uma visão privilegiada da praia a partir do mar. De fato, a pessoa se sente um super-herói.

O engenheiro civil gaúcho Ronaldo Kalil Fagundes, 32 anos, teve a mesma impressão. “No começo eu senti um pouco de dificuldade, os tombos fazem parte. Depois peguei a manha e acredito que consegui atingir uns sete metros. É aí que você começa a curtir o momento e admirar aquela vista maravilhosa”, contou Ronaldo.

Uma sessão de flyboard no local dura 20 minutos e custa R$ 120 (aceitam cartão de crédito e dividem em até duas vezes) e se optar pelas imagens com drone são mais R$ 50 (Instagram: @praiadoscarneirosflyboard / telefone: (81)98102.2220). O único pré-requisito é saber nadar. “Quanto a idade não tem limites. Já voaram com a gente um garoto de 8 anos e um senhor de 72, quem quiser quebrar esse recorde pra menos ou para mais estamos aqui!”, brincou Vicente.

Veja também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.