Amsterdam: Bikes, liberdade e respeito ao próximo

por

Uma palavra que eu uso para definir Amsterdam: liberdade. De todos os países que nós tínhamos escolhidos para ir na nossa Eurotrip, a capital holandesa foi o destino mais aguardado, pelo menos por mim.

Um dos milhares de canais que cortam a cidade
Um dos milhares de canais que cortam a cidade

Sempre quis conhecer e sempre achei incrível aquelas ruas estreitas, as casinhas e os canais cortando a cidade, sem contar que toda essa combinação é linda demais. Além do mais é bicicleta para todo lado e de todos os tipos, na cidade circulam por dia cerca de meio milhão de ciclistas. E é incrível ver como pedestres, ciclistas, veículos e VLTs (os bondes elétricos que cortam algumas ruas) se respeitam e convivem tão bem naquele pequeno espaço.

PUBLICIDADE:
Os Trams (VLT's) circulam por várias ruas juntamente com as bicicletas e os pedestres.
Os Trams (VLT’s) circulam por várias ruas juntamente com as bicicletas e os pedestres.
Bikes para todos os lados
Bikes para todos os lados

Fomos em novembro de 2017, outono ainda, mas digamos que é o comecinho do inverno por lá. Dos 5 países que fizemos, por ser uma cidade bem ventilada, foi a que senti mais frio, também pegamos dois dias de chuva, mas nada tempestuoso ao ponto que atrapalhasse o passeio. Então se está planejando ir nessa época, fica a dica, leve um casaco que aguente bem o clima.

Se você não fala holandês, o que é bem provável hehehe, não se preocupe. Eu não faço ideia se são todos, mas praticamente a maioria das pessoas falam inglês. Então se você pelo menos arranha no verbo to be, vai sobreviver sem perrengues.

Primeiro rolê
Primeiro rolê

Olhando a vista de cima da cidade, é bem fácil perceber que sua arquitetura é meio circular, a ideia é se hospedar nessa região central, ou “Centrum” como eles chamam. É nessa região onde tudo acontece, com exceção do parque das flores de Keukenhof, no outono, não valia a pena ir porque não tem as flores, mas se você for no verão ou primavera, vai na fé que deve ser incrível. Outro lugar fora do centro é o Zaanse Schans, a famosa vila dos moinhos de construções originais dos séculos XVIII e XIX. São passeios que você pode contratar um tour ou ir por conta própria, nada tão difícil para se chegar.

I Amsterdam City Card

A melhor forma de se locomover na cidade é graças a esse cartão! Existem opções de 24h, 48h, 72h e 96h. Não são tão baratos, mas as vantagens são incríveis. Como ficamos 4 dias, optamos pelo de 72h, achamos que era o suficiente e foi de fato. Com ele ainda é possível entra em vários museus, inclusive os mais interessantes, não diria que de “graça”, já que você pagou pelo cartão, mas sai bem mais barato do que se você for comprar de fato os ingressos.

O cartão que vai ser uma mão na roda na sua ida para Amsterdam
O famosos cartão que vai ser uma mão na roda na sua ida para Amsterdam

Os VLTs você não vai nem se preocupar, pode pegá-los o dia todo, quantas vezes quiser. Ainda pode agendar um passeio nos barcos nos canais (esse a gente deixou de lado e não fomos, você não faz ideia do frio que era toda vez que chegávamos perto dos canais hehe). Ah, ele também da ótimos descontos em restaurantes e teatros.

Existe a opção de você comprar pela internet, mas não acho uma boa ideia, visto que você irá pagar o danado do IOF, então a dica é comprar por lá, existem vários pontos de venda, nós compramos na Estação Central de Amsterdam.

A estação Amsterdam Centraal. Do lado de fora, sai Trams para vários pontos da cidade.
A estação Amsterdam Centraal. Do lado de fora, sai Trams para vários pontos da cidade.

Para mais informações você pode conferir aqui.

O tal lance da maconha

Primeiramente é necessário deixar claro que sim, na Holanda o consumo de drogas é proibido. Sobre a cannabis, (não querendo entrar no critério dela ser considerada droga ou erva) a verdinha é tolerada, e nesse caso, existe muita diferença entre ser “tolerada” e “legal”.  Você estará dentro da tolerância caso esteja portando até 5g, mais do que isso você terá grandes problemas com as autoridades locais. É inegável que ela é bastante procurada por turistas curiosos o que faz com que o país, um tanto liberal, tenha uma imagem bem estereotipada.

Não, não é maconha, mas achamos engraçado a semelhança hehe
Não, não é maconha, mas achamos engraçado a semelhança hehe

Sobre o uso, não deveria ser em público, mas é bem comum você observar e sentir o cheiro pelas ruas, e as pessoas locais parecem não se importar com isso. Em locais fechados, como restaurantes e hotéis, é proibido. Comprar nas ruas é ilegal e você estará cometendo um crime, então o melhor lugar para adquirir legitimamente são os coffeeshops, mas se ligue, eles não vendem mais do que 5g. Ah, lá dentro vende muitos produtos feitos da erva além do cigarro, como: biscoitos, chocolates, pirulitos, etc. Para encontrar algum coffeeshop, não tem mistério, existem milhares espalhados pela cidade.

O Red Light District

Por ser um país vanguardista e liberal, quando falamos em Amsterdã, uma das coisas que vem logo a cabeça é como eles tratam de forma tão aberta e organizada a prostituição. Isso, porque lá ela é considerada uma profissão legalizada, não só na cidade, mas em todo o país. Não existe os chamados “cafetões”,  as mulheres trabalham por conta própria, têm direitos trabalhistas e pagam imposto. Para poder trabalhar é necessário ter 18 anos e possuir nacionalidade de algum país da União Européia.

Foto: Pexels.com
Foto: Pexels.com

O Red Light District ou “Bairro da Luz Vermelha”, fica em De Wallen, próximo ao centro histórico de Amsterdã e é de fácil acesso. Câmeras são consideradas proibidas, não que haja uma pessoa lhe fiscalizando na entrada do bairro, e lhe barrando por estar com uma câmera, mas é bom não tentar arriscar algum clique, a não ser que tenha autorização.

Heineken Experience

Se você curte uma cerveja gelada, não pode de maneira nenhuma ir a Amsterdã e não fazer uma visitinha ao Heineken Experience.

A primeira fábrica da Heineken, hoje abriga o museu da empresa.
A primeira fábrica da Heineken, hoje abriga o museu da empresa.

Nada mais é que as instalações da primeira fábrica da cervejaria. Se tem uma coisa que a Heineken está de parabéns, é saber valorizar o seu consumidor, e isso trás total retorno emotivo dele para com a marca. Lá dentro eles transmitem um imenso orgulho do produto que fazem e você é tratado como membro da família Heineken.

A evolução das garrafas.
A evolução das garrafas.

Você passa pelo museu da história da empresa, conhece as caldeiras onde fermentavam os ingredientes e em seguida você e o grupo que lhe acompanha, ganham um chopp e são apresentados a uma barwoman que ensina a todos a fazer um verdadeiro brinde Heineken, ótimo que você já começa os “trabalhos” ali mesmo.

As caldeiras ondem era produzida a cerveja
As caldeiras ondem era produzida a cerveja
Aprendendo a brindar, vê mesmo...
Aprendendo a brindar, vê mesmo…

Nesse mesmo local, você é apresentado ao estabulo dos cavalos que eram utilizados para a entrega dos barris pela cidade de Amsterdã, eles eram tratados a pão de ló e até hoje são idolatrados na fábrica.

O estabulo onde ficavam os cavalos responsáveis pela entrega dos barris no começo da fábrica.
O estabulo onde ficavam os cavalos responsáveis pela entrega dos barris no começo da fábrica.

Saindo de lá, passa por inúmeras salas que mostram um pouco das ações que a Heineken investe no mundo futebolístico, principalmente a Champions League. Existem vários momentos interativos, como personalizar uma garrafa com o seu nome, treinar sua capacidade de preparar um chopp (não é nada fácil), cantar em um karaokê enquanto pedala uma bicicleta, detalhe que a música é holandesa, ai é que tá toda a graça hahaha e você ainda pode mandar o vídeo de graça para o seu email.

Maryna antes furar o chute hehe
Maryna antes furar o chute hehe
O karaokê em holandês, uma das interatividades do museu.
O karaokê em holandês, uma das interatividades do museu.

Depois de se divertir bastante pelos corredores da antiga fábrica, você chega ao bar da Heineken, logo quando você entra na fábrica, você ganhar uma pulseira com dois botões, cada botãozinho significa que você tem direito no final a dois chopps no bar. Como Maryna não bebe, fiz a festa, né? Uma percepção que eu tive, era que os barmans pouco se importavam em lhe dar além dos dois, vi várias pessoas pegando além. Eu bebi meus quatros choppinhos de boa, ainda achei um botão perdido no chão e não desperdicei hehe. Também existe uma pequena competição bem divertida. A cada 5 – 10 minutos, 4 pessoas são chamadas e disputam quem coloca o melhor chopp, ficando bom ou não, você pelo menos vai ganhar o chopp que preparou hehe.

O bar no final do museu, lá cada pessoa tem direito a dois chopps
O bar no final do museu, lá cada pessoa tem direito a dois chopps

Ao sair do bar, você entra na última parte do museu, a lojinha de souvenirs. Para ser sincero, achei o valor das coisas bem caro, mas tinha muita gente comprando.

A Leidesplein e as 9 Straatjes

A Leidesplein é uma rua bastante movimentada da cidade, ficamos praticamente nela e por isso indicamos um passeio por ela. Têm altas lojas legais, de vários seguimentos e para todos os preços e gostos. Além de várias opções para você comer o que quiser.

A Leidesplein
A Leidesplein

Também bem próxima ao centro, outra opção são as 9 Straatjes, ou no bom português, 9 ruazinhas. São vielas bem estreitas repletas de lojas, restaurantes e cafeterias. Normalmente são beeeem agitadas mas super aconchegantes.

O Museu de Anne Frank

Sempre quis ler o diário em que a pequena Anne Frank relatou seus dias escondidas dos alemães, mas não sei o porque, nunca havia lido. Porém, quando decidimos que Amsterdam seria um dos nossos roteiros de viagem, comprei-o no outro dia. Por ter sido uma leitura tão próximo da viagem, entrar no esconderijo foi bastante impactante, muitos objetos foram retirados, mas as colagens de noticias dos jornais ainda estão da mesma forma que eles deixaram. As pias, balcão, está tudo do mesmo jeito. Estar naquele mesmo local foi emocionante, uma mistura de matar a curiosidade e ao mesmo tempo tristeza por tudo que eles passaram. Eu imaginava um espaço bem pequeno, mas era menor ainda.

A casa ao centro, abrigava o esconderijo de Anne Frank e seus familiares
A casa ao centro, abrigava o esconderijo de Anne Frank e seus familiares

Recomendamos comprar o ingresso antes, compramos os nossos ainda no Brasil, pelo site do museu. Lá dentro, é terminante proibido fotografar, você vai poder entrar com sua câmera, celular, bolsa. Desde que esteja tudo guardado, e ah, a sua bolsa eles pedem gentilmente que seja colocada na frente. Eu acredito e acho certíssimo isso, penso que aquele local, pela tristeza que ele representa, não é um lugar para ficar fotografando, fazendo selfies…

Praça Dam

A praça fica bem no centro da cidade, a partir dela é possível ir para várias ruas comerciais. Ao redor dela, existe o Palácio Real de Amsterdam e o Nieuwe Kerk, que é um templo religioso. Estava tendo uma exposição dentro, sobre Mandela, Gandhi e Martin Luther King, entramos só no hall para uma olhadinha. Na praça também é possível encontrar o Madame Tussauds, o museu de cera.

O museu de cera Madame Tussauds em frente a praça Dam
O museu de cera Madame Tussauds em frente a praça Dam

Ah, os turistas na praça fazem a festa com os pombos, eu particularmente acho isso bem sujo, mas…

A galera se "divertindo" com os pombos.
A galera se “divertindo” com os pombos.

Museumplein

Na Museumplein, ou Praça dos Museus você vai literalmente encontrar vários, tem o principal, o Rijksmuseum, que nada mais é que o museu nacional da Holanda, que tem um enorme acervo que mostra toda a história do país.

Com o nosso I Amsterdam City Card entramos de graça tanto no Van Gogh Museum, quanto no Stedelijk Museum. O primeiro não preciso nem comentar o quanto é incrível ver as obras originais do Van Gogh, pena que a mais famosa, O Grito, não estava no museu, estava em uma exposição em Nova Iorque. Levamos um pequeno esporro do segurança (mas ele sorriu depois), porque é proibido tirar fotos, questionamos que não tínhamos visto nenhum aviso, mas tava lá, bem pequeno no rodapé da sala ¬¬ hahaha. Mas conseguimos alguns registro antes disso tudo.

O museu de Van Gogh
O museu de Van Gogh
Um dos famosos autorretratos de Van Gogh
Um dos famosos autorretratos de Van Gogh
Mais alguns quadros do artista
Mais alguns quadros do artista

O Stedelijk é engraçado, o prédio parece uma enorme banheira e nele você encontrará obras de grandes artistas como Picasso e Newman. Além de obras bastante importantes do iluminismo, cubismo, expressionismo.

O Stedelijk Museum
O Stedelijk Museum

Na praça também tem o pequeno Moco Museum, foi muito legal, lá estava tendo uma exposição original do BANKSY! Eu sou super fã do cara a anos e mesmo sendo pago, nada muito absurdo, entramos! Valeu muito a pena, o cara é fera! Além dele, também estava tendo uma exposição do Roy Lichtenstein! As duas ainda estão por lá.

Agora ir em Amsterdam e não tirar uma foto clássica na famosa placa I Amsterdam, não vale, né? Pois pronto, na praça, em frente ao Rijksmuseum tem uma, fica a dica! Estavamos relativamente perto de lá, e a dica era sair bem cedo para tirar a foto sem aquela multidão, valeu a pena, deu certo!

A famosas letras do I Amsterdam, ao fundo o Rijksmuseum.
A famosas letras do I Amsterdam, ao fundo o Rijksmuseum.

De forma geral, vai muito a pena conhecer essa região, tenha certeza que vai passar o dia todo!

Vondelpark

O parque fica próximo aos Museus que ficam na Museumplein. Os holandeses vão muito pra lá, caminhar, passear com o cachorro e por que não, andar de bike? Mesmo no outono, o parque é lindo, fico imaginando na primavera como deve ser. Estando na região dos Museus, vale uma visitinha.

 Waterlooplein Market

O “Mercado das Pulgas” na tradução em português, é uma feirinha ao ar livre onde você encontrará bastante produtos usados, de todos os tipo, mas principalmente roupas. Pegamos o final da feira, então não temos muita opiniões sobre. Mas o pouco que tinha era bem mais ou menos hehe.

Foodhallen

Seguindo essa nova moda de mercados mais modernos e de boa comida, o Foodhallen é uma ótima pedida para quem tá com fome. O ambiente é muito legal beeeem agradável e tem milhares de opções.

Eu, como sou um desbravador de hambúrgueres e já tinha visto na internet, fomos no The Butcher, e sério, bom demais po! na moral! A batatinha frita… sensacional!

 O delicioso Butcher!

O delicioso Butcher!

Nemo Science Museum

O Nemo parece mesmo um gigante navio.
O Nemo parece mesmo um gigante navio.

Pense numa região bonita! Pronto, é a região próxima a Estação Central de Amsterdam. Os Trams fazem a volta nessa região então acredito que todos passam por ela, descemos e fomos andando até o Nemo, foi um passeio incrível. Pena que quando chegamos no Nemo ele estava fechado hehe, era uma segunda-feira. Triste pra nós, mas nem tanto, você pode subir “trocentos” degraus e curtir a vista em cima dele, também tem uns brinquedinhos que você interage com a física.

A subida do Nemo
A subida do Nemo
No alto, existem alguns brinquedos interativos.
No alto, existem alguns brinquedos interativos.
E também essa bela vista da cidade
E também essa bela vista da cidade

Outros Museus

Amsterdam tem muitos, mais muitos museus, pelo tempo que passamos era impossível conhecer todos, e alguns não tínhamos interesse de conhecer. Lembrando que quando você compra o I Amsterdam City Card, você ganha um guiazinho, nele tem a lista de todos os museus participantes. Então, caso planeje ir para lá, pesquise direitinho os museus que mais lhe atraem.

Veja também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.