5 dias em Buenos Aires: Eu e eu mesmo

por

Qual é o destino número 1 da primeira viagem internacional de muitos brasileiros? Buenos Aires.
A capital portenha vem recebendo, ano após ano, muitos brasileiros por conta da quantidade de voo ofertados nas principais capitais do país, pelo valor do peso argentino em relação ao real (já foi muito mais em conta) e pela questão do idioma também (os hermanos conseguem entender um pouco o nosso portunhol).

Casa Rosada

Com tudo isso, Buenos Aires também foi o meu primeiro destino internacional. Fui para lá no mês de outubro (nem tão quente, nem tão frio), apenas na companhia da minha mochila e vontade de desbravar essa primeira aventura!

PUBLICIDADE:

Primeiro dia

Minha chegada foi pelo Aeroparque (aeroporto no centro de BsAs). Chegando lá, eu troquei alguns pesos e optei por fazer o trajeto até o hostel em que ficaria de transporte público/ônibus mesmo.

Dica 1: Os taxistas hermanos que ficam nos dois aeroportos da cidade, Aeroparque e Ezeiza, não são muitos confiáveis para nós turistas brasileiros. Com certeza você já deve ter ouvido algum relato de adulteração do preço da viagem, notas falsas trocadas e por ai vai. Se optar por pegar um táxi, fica bastante atento ao taxímetro e as notas que eles passam na hora do pagamento.

Dica 2:  As tarifas dos coletivos de lá são pagas apenas em moedas ou pelo cartão SUBE. Como eu ainda não tinha o cartão fiz um lanche no próprio aeroporto para ficar com algumas moedas e assim pegar o ônibus até o meu destino. (muito esperto)

Vinho, cerveja, carne argentina e colegas brasileiros no El Sanjuanino.

O hostel em que eu fiquei foi o Milhouse Hostel Avenue, localizado na Avenida de Mayo, no coração de BsAs. Super indico para você que está querendo um hostel animado na cidade. Lá você encontrará pessoas do mundo todo, e claro, brasileiros.

Tirei o fim da tarde para trocar mais dinheiro (a Calle Florida é uma famosa rua de casas de cambio e até mesmo na rua é possível fazer essa troca) e tirar umas fotos pela Avenida 9 de julho (a principal avenida da cidade em que o Obelisco está localizado).

Festinha no hostel, para quem gosta de cerveja, não poderia deixar de tomar um boa Quilmes

À noite, fiquei no hostel em uma festa promovida por eles (ótimo momento para interação)

Segundo dia

Aproveitando a localização da hospedagem fui caminhando pela Avenida de Mayo,  passei pelo famoso Café Tortoni (famosa cafeteria de Buenos Aires), pela Casa Rosada (sede do governo), até chegar no Puerto Madero.

Panorâmica do Puerto Madero

Lá você encontra vários locais para fazer um lanche, beber algo, curtir a passagem e tirar várias fotos. No período da noite, foi mais uma vez de festa dentro do hostel, onde conheci alguns brasileiros de Manaus, Porto Velho e São Paulo e que nos aventuramos em um aniversário de um venezuelano que era amigo de uma argentina que conhecia um dos brasileiros de Porto Velho (ufa!).

O dia em que nós, brasileiros, fomos parar em uma festa de aniversário de um venezuelano em plena Buenos Aires

Parece loucura isso tudo, mas foi uma das partes mais legais do dia. Interação muito bacana com todos que estavam na festa.

Terceiro dia

O terceiro dia caiu de ser em um domingo, e domingo em Buenos Aires significa: Feira de San Telmo!

Na Calle Defensa, caminho para a Feira de San Telmo, você encontra Mafalda, Susanita e Manolito.

Ela se estende pela Calle Defensa até a Plaza Dorrego. Lá você encontrará antiguidades, artesanato e também espaço para tomar uma boa cerveja com os amigos. Passei a tarde toda lá. Vale muito a pena. A noite, como de costume, festa no hostel! (sério, esse hostel vale muito a pena).

Parada na Plaza Dorrego, no dia da Feira de San Telmo, para um chopp

Quarto dia

Para mim, um amante do futebol, não poderia deixar de ir ao famoso La Bombonera (estádio do Boca Juniors). Você pode chegar de ônibus, táxi ou uber. Eu fui de ônibus mais um amigo e foi muito tranquilo. Chegando lá fizemos um tour guiado dentro do estádio (o guia falava muito bem português), e podemos conhecer um pouco mais desse grande time da América do Sul.  Você paga um valor a mais para fazer a visita guiada, para mim valeu mais a pena, porque pude conhecer de perto e saber da estória do time mais a fundo.

Como você se sente quando entra no estádio!?

Terminando esse turismo no La Bombonera, seguimos para o Caminito. São duas ruazinhas onde você verá artesanatos, bares e um pouco da grande marca do local: as casas pintadas de várias cores diferentes, dando um visual bem bacana do local. A noite, mais um dia de festa no hostel e depois fomos para um bar em Palermo.

Quinto dia

No sexto e último dia, decidi conhecer os parques de Palermo e Recoleta. Mesmo com o tempo não colaborando, fui com mais alguns brasileiros para lá.

Visitamos o Bosques de Palermo, El Rosedal e Jardim Japonês. Depois disso seguimos pela av. Presidente Figueroa Alcorta até a o nosso hostel (passando pela Avenida 9 de julho também).

Panorâmica da Floralis Generica
Panorâmica da Floralis Generica

No caminho passamos pela Floralis Generica, que é a famosa flor metálica que deveria abrir ao amanhecer e fechar ao pôr-do-sol, mas ela se encontra quebrada e fica na mesma forma (aberta) sempre. Seguindo na volta para o hostel, paramos para comer no El Sanjuanino (famoso pelas suas empanadas). Vale muito a pena comer lá, recomendo!

Vale muito a pena conhecer o Jardim Japonês em BsAs

Depois de todo esse tour, só me restou chegar no hostel, arrumar as malas, me despedir dos amigos que ali fiz e partir para o aeroporto com sentimento de que passei seis ótimos dias em Buenos Aires. E ainda fiquei com o gostinho de quero mais.

Digo e repito, podem ir sem medo (e se der medo, vá do mesmo jeito) para Buenos Aires que vocês não irão se arrepender!

Veja também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.